O Cabíria Festival – Mulheres e Audiovisual é dedicado à produção realizada por mulheres e pessoas de identidades de gênero diversas para promover maior representatividade e diversidade nas telas e atrás das câmeras. Um grande encontro entre audiência, cadeia produtiva e cineastas do Brasil e dos países convidados Alemanha, Argentina, Costa Rica e França, em busca de reflexões, ampliação de redes e  impulsionamento de talentos.

Nesta 2ª edição, disponível de 18 a 29 de novembro, em atenção às restrições sanitárias do COVID-19, o formato será online e totalmente gratuito com exibição de 35 filmes, 22 microfilmes, além dos Encontros com debates, oficinas, masterclasses e painéis.

A partir do tema
Imaginários possíveis, rupturas em processo, o recorte curatorial reforça os desejos de compartilhar a diversidade de modos de fazer, provocar rupturas de ciclos de violência históricos e expressar imaginários possíveis de autorias e subjetividades.  

Como uma síntese simbólica do tema,
a cineasta homenageada é Patrícia Ferreira Pará Yxapy, indígena da etnia Mbyá-Guarani, com uma mostra especial de 11 filmes.

O festival é uma expansão do Cabíria Prêmio de Roteiro, que desde 2015 premia histórias escritas e protagonizadas por mulheres. Nesta edição foram mais de 250 inscrições nas categorias de longa de ficção, argumento infantojuvenil de longa ficção, piloto de série de ficção e documental. As premiadas participarão do Cabíria LAB, um ambiente de estímulo ao desenvolvimento de roteiros através de tutorias e consultorias.

Agradecemos a talentosa equipe de colaboradoras e a rede maravilhosa que reúne 33 parcerias dedicadas a transformar a sociedade num lugar mais interessante, saudável e diverso. Em tempos marcados por profundas crises políticas e de constantes ataques à democracia, é ainda mais vital unirmos nossas forças de existir para resistir.

Aproveitem a programação, que pode ser acessada por meio de cadastro simples nas plataformas Videocamp, para os títulos longas e médias, Cardume para os curtas, com sessões online seguidas de debate. Painéis, masterclasses, lives e muito mais poderão ser acessadas no
Youtube do festival.

Desejamos a tod@s um excelente festival!
 

FESTIVAL

CURADORAS

Julia Katharine

Primeira mulher trans a ter um filme lançado no circuito comercial, Julia Katharine é atriz, roteirista e diretora. Roteirizou e dirigiu o curta-metragem Tea For Two (2018), filme que ganhou mais de 15 prêmios, em diversos festivais. Recebeu o convite do Instituto Moreira Sales para a criação de um curta-metragem, no projeto IMS CONVIDA e, junto com a atriz Gilda Nomacce, roteiriza e dirigi This is not Dancing Days (2020). Como atriz Julia ganhou o prêmio Helena Ignez na 21º Mostra de Tiradentes, tendo protagonizado e foi corroteirizado o longa-metragem Lembro Mais dos Corvos (2018), de Gustavo Vinagre. Foi jurada de diversos festivais e homenageada no Santos Film Fest 2020.

Graciela Guarani

Pertencente à nação Guarani Kaiowá, Graciela é produtora cultural, comunicadora, cineasta, curadora de cinema e formadora em audiovisual. Uma das mulheres indígenas pioneiras em produções originais audiovisuais no cenário brasileiro, tem um currículo que inclui direção e roteiro em 8 curtas metragens, a série de vídeo cartas “ Nhemongueta Cunha Mbaraete “(IMS), co-direcao no longa My Blood is Red (Needs Must Film).  Convidada como debatedora da Mesa redonda Internacional de Mulheres na Mídia e no Cinema na 70a. Berlinale - Berlin International Film Festival 2020.

Thamires Vieira

Thamires Vieira, diretora e produtora, estudou cinema na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e atua há oito anos no mercado audiovisual. Dirigiu "O dia que ele decidiu sair" (2015) e, como produtora, realizou diversos curtas, dentre eles "Arco do Tempo" (2019) e "Ilhas de Calor"(2019), que foram premiados em dezenas de festivais no Brasil. Atualmente se prepara para assinar a produção do seu primeiro longa metragem "Não Estamos Sonhando" premiado no Br Lab 2019.

Vanessa Fort

Vanessa Fort é roteirista e produtora. Roteirista e produtora-associada do documentário Eleições, dirigido por Alice Riff, roteirista e coprodutora do Você não sabe de mim, de Alan Minas, além de corroteirista e co-diretora do curta-metragem Pai Francisco, em parceria com Joyce Prado e  Marcus Vinicius Vasconcellos. É consultora de roteiro e desenvolvimento, e curadora de mostras e festivais.

Yolanda Barroso

Bacharel em Antropologia pela UFF, atua há dez anos na área de produção cultural, desempenhando variadas funções em produção de festivais audiovisuais e lançamentos de longas-metragens. Experiência em comunicação institucional, pesquisa, desenvolvimento de conteúdo, parcerias, planejamento estratégico e organização de eventos. Dentre os projetos que colaborou, destacam-se o Festival Varilux de Cinema Francês e Festival Ópera na Tela, como coordenadora de comunicação.

ASSINE A NOSSA
NEWSLETTER

SEU E-MAIL

APOIO

PARCERIA

REALIZAÇÃO